Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Ferramenta Local MailingNet Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Teia Editorial | 20/03/2017 17:50:36 | 120 Acessos
Protetores e a resistência da ferrugem na soja - Por Erlei Melo Reis*

Identificada pela primeira vez no Brasil em 2001, a ferrugem da soja hoje é considerada a principal doença da cultura. Segundo a Embrapa, ela possui um custo médio de US$ 2 bilhões por safra.

Por mais que haja a aplicação de fungicidas, estes perderam sua eficiência com o decorrer do tempo e a adaptação do fungo. Em 2013/14 a eficiência dos componentes (DMI e Qol) estavam abaixo de 20% e a mistura dos dois (ciproconazol + azoxistrobina) beirava os 40% de controle.

Só temos três grupos químicos no mercado: Triazóis, Estrobilurinas e Carboxamidas. Esses grupos possuem moléculas de ação sítio específicas, sendo assim, é fácil do fungo se defender. Portanto é indicado o uso de fungicidas protetores multisítio que agem no mínimo em 5 ou 6 sítios da célula do fungo. Devido a isso, o fungo não consegue alternativas para se adaptar.

Três elementos são essenciais para a proliferação da ferrugem: Água, tempo e temperatura. Para o fungo, basta a humidade mínima necessária e oito horas a uma temperatura média 22ºC para que ele comece a germinar. Em oito a nove dias ele completa seu ciclo liberando, então, seus descendentes. Os esporos da ferrugem, chamados de “esporos secos” são liberados quando a folha hospedeira estiver seca. Eles são transportados por meio do vento até a próxima folha na qual se instalará.

Tal qual uma semente, o esporo vai penetrar e começar a se alimentar, e como a ferrugem, os fungicidas protetores vieram para ficar. Quando há a presença de um fungicida protetor a camada que envolve a folha não permite que o fungo se desenvolva, pois, assim que começar a germinar, o mesmo absorve o defensivo que impedirá o seu desenvolvimento .Sendo assim, os processos biológicos vitais são interrompidos, levando ao total controle da doença.


SOBRE A UPL
Com mais de 10 anos de atuação no Brasil, a indiana UPL é uma empresa global que traz soluções inovadoras e sustentáveis em proteção e nutrição de cultivos para o agricultor. Fundada em 1969, a companhia atua hoje em mais de 86 países com 27 fábricas que desenvolvem, fabricam, formulam e comercializam produtos da mais alta qualidade, segurança e tecnologia. Com mais de 28 aquisições nos 11 últimos anos, a empresa está entre as 10 maiores empresas mundiais do segmento com faturamento de mais de US$ 2 bilhões e ações na Bolsa de Mumbai. Por meio de novas formulações e produtos, equipe profissionalizada, pesquisas e expansão de portfólio, conta com forte presença nos mercados de soja, milho, cana-de-açúcar, arroz, café, citros, algodão, pastagem e hortifruti.

Por Erlei Melo Reis, Engenheiro Agrônomo e fitopatologista
--
Gabriel Pereira
Consultor de Comunicação
19 2136-3527 | 19 99785-7482

 

Compartilhar
Sala de imprensa Teia Editorial
Empresa Alfapress Comunicações Ltda - ME
Contato Gabriel Furlan
E-mail gabriel.teiaeditorial@gmail.com Fone (19) 21363527
Editoria (s) Geral
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
Não há Tag's relacionadas.
busca avançada
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta