Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Em Pauta Comunicação | 10/12/2014 12:21:50 | 351 Acessos
"Desenvolver talentos é única forma de sair da mesmice", diz especialista em desenvolver talentos

“Desenvolver talentos é única forma de sair da mesmice, mesmo num mercado com previsão de pouco crescimento”, diz especialista
quando a produção está em baixa é que se deve voltar a atenção para o treinamento, pois há tempo para isso

O ano de 2015 será bastante desafiador para alguns segmentos, principalmente em termos de crescimento econômico. Exatamente por isso, as empresas devem aproveitar esse momento e investir em treinamento e desenvolvimento, repensar processos e mudar procedimentos. “Treinar é desenvolver o talento humano e, para desenvolvê-lo, é preciso maturação”, avalia Alfredo Castro, sócio-diretor da MOT, empresa especialista em desenvolver talentos. No entanto, segundo ele, nem todas as corporações têm essa postura, o que pode gerar problemas em um futuro próx imo.


Segundo o especialista – que ministrou palestras e treinamentos em diferentes países neste ano de 2014 – metade das empresas brasileiras está dimensionando os treinamentos de 2015 com timidez, “um erro estratégico”, defende. “A outra metade está investindo pesado nesse foco, como é o caso da GE, que inaugurou um centro de treinamento no Rio de Janeiro, antecipando-se às demandas que estão por vir e dando um passo ousado em relação ao futuro. Também percebo um movimento de empresas que estão criando suas Universidades Corporativas, o que é muito bom”.


Para Castro, a empresa tem que decidir aonde ela quer chegar em um futuro próximo, pois, se não investir, terá problemas já em 2015 ou 2016. “Treinar é um processo que exige maturação. É quando a produção está em baixa que se deve voltar a atenção para o treinamento, pois há tempo para isso.”


Quem quiser fazer a diferença em 2015, usando o T&D como caminho, precisa, ainda, seguir outros caminhos importantes: voltar os esforços para recompor a liderança; levar os mais jovens a entender a importância de valorizar as gerações mais maduras e fazer com que as equipes percebam que essa convivência é positiva, pois os mais jovens são capazes de se adaptar muito mais facilmente às novas tecnologias.

Paradoxo - No Brasil, há um paradoxo tem sua origem no modelo de liderança e na falta de investimento em treinamento. Há um índice crescente de desemprego e, ao mesmo tempo, vagas em aberto. Castro explica: “Isso acontece porque não há profissionais capacitados para preenchê-las. Outro aspecto é a inquietação dos profissionais que desejam sair das organizações onde trabalham, mesmo com o mercado oferecendo tão poucas oportunidades. É resultado de um modelo de liderança que, muitas vezes, não consegue manter a motivação nem reter talentos.”


Retenção de talentos, inclusive, ainda é um problema a ser vencido. Na visão de Alfredo Castro, “é a única forma de sair da mesmice”. Para ele, talento pode ser definido como uma demonstração de resultados com competências acima da média. “Por isso, para reter talentos, é preciso identificar quem está acima da média, quem aceita atividades desafiadoras com criatividade, aplicando inovação”.

Problemas à vista - Existem dois tipos de profissionais e de empresas: consumistas e criadores. Quanto menor o investimento em talento, mais a empresa se torna consumista, ou seja, ela vai apenas consumir soluções prontas, em vez de criar suas próprias soluções. “Isso faz com que ela se prenda à sua finitude e, com isso, irá retroceder em 2015. Já o perfil criador cria oportunidades, espaços e soluções novas. Isso é muito bom, pois os clientes não são fiéis às marcas. Eles são fiéis à inovação, aos benefícios que cada produto ou serviço traz, aos resultados concretos. Quando uma empresa começa a perder clientes é um indício de que está se tornando consumidora e que precisa mudar isso&rd quo;, alerta Castro.

E mesmo neste momento tão delicado do mercado, não adianta as empresas e seus profissionais quererem estabilidade. “Estamos em um momento de muita volatilidade e os líderes precisam se preparar para enfrentar este momento. Há um termo em inglês – VUCA – que traduz isso. Essa sigla pode ser traduzida por: Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade. Para lidar com isso, os líderes precisam ter Visão, Entendimento, Clareza e Agilidade”, explica o especialista.

Sobre a MOT

A MOT – Treinamento e Desenvolvimento Gerencial – é uma empresa de soluções em treinamento, desenvolvimento e gestão de pessoas, especialista em desenvolver talentos. Desenvolve programas, palestras, projetos e processos de mudança para levar seus clientes – empresas dos mais variados segmentos – a conquistar competitividade e excelência de desempenho em seus mercados. Formada por uma equipe de cerca de dez profissionais, a MOT é liderada pelos diretores-sócios Alfredo Castro e Valéria José Maria.

Sobre Alfredo Castro

Um especialista em gestão, consultor, autor e palestrante internacional. Assim pode ser definido Alfredo Castro, profissional com formação multidisciplinar (Finanças, Recursos Humanos, Marketing e Liderança), com uma trajetória profissional em vários países e em segmentos diferenciados.

Castro é Presidente da MOT Training and Development (USA) e membro do Advisory Committee da ASTD (American Society for Training and Development), em Washington, e atua como conselheiro no Brasil e no exterior. É também diretor técnico da ABTD – Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento - e membro de comissões do IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Além de rea lizar palestras sobre Liderança, Storytelling, Novas Gerações e Gestão Empresarial (em três idiomas), atua também como professor de cursos de MBA da FIA/USP, além de prestar consultoria pela MOT – Treinamento e Desenvolvimento Gerencial, da qual é diretor-sócio.

Informações para a imprensa

Em Pauta Comunicação

(11) 3567-7854 / 3567-7855

Simone Valente – (11) 97666-7022 - simone@empautacomunicacao.com.br

Cristina Thomaz – (11) 99666-5932 / 94730-6616 – ID 35*2*86267 – cristina@empautacomunicacao.com.br

Compartilhar
Sala de imprensa Em Pauta Comunicação
Empresa EM PAUTA COMUNICAÇAO ASSESSORIA E PUBLICIDADE LTDA
Contato Simone Valente
E-mail empauta@empautacomunicacao.com.br Fone (11) 35677854
Editoria (s) Recursos Humanos
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
realiza SELECIONARÁ GESTÃO AMBIENTE DIANTE JURÍDICO
Salvador ONGS SANTISTA FORMAIS JORNAIS USO
Sodexo PISO ONLINE AMÉRICA SETOR VENDAS
FGTS FINANCEIRO ARENA DEBATE RECEBIDO ATLETA
ACONTECE SALARIAL CLT LATINA VÔLEI PRESO
APOIO ESTABILIDADE PROJETOS QUALIDADE CONTRATO imagem
FUNDAÇÃO INSTITUTO GERAÇÃO APONTA TV ACIDENTE
BAIXADA VAREJO SUSTENTÁVEL SOCIAIS VIÚVA indenizará
REUNIRÁ DOAÇÕES SETEMBRO FecomercioSP AQUECE ex-assessor
IMPORTÂNCIA GIFE GRANDE CONCESSIONÁRIA ANO abatido
ESPECIALISTAS PAULISTA BRASIL EMBALAGENS VINCULADA VIDA
EMPREGOS TERCEIROS EVENTO REMUNERAÇÃO ENERGIA PAULO
PREMIAÇÃO DESENVOLVIMENTO APRESENTA INDENIZAÇÃO SEGURO TRABALHO
TRATAR MELHORES
busca avançada
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta