Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Plano A Comunicação e Eventos | 24/06/2015 18:07:05 | 645 Acessos
Resistência antimicrobiana causa de 500 a 1 milhão de mortes por ano no mundo

? 70% dos pacientes internados nas unidades de terapia intensiva recebem tratamento para algum tipo de infecção

Estima-se que de 500 mil a 1 milhão de mortes ocorram no mundo devido à resistência antimicrobiana. Um fato alarmante é o crescimento do consumo global de antibióticos no ambiente hospitalar na última década, que bateu a casa dos 40%. Estudos estatísticos revelam que se nenhuma mudança ocorrer, em 2050, o mundo registrará cerca de 10 milhões de mortes associadas à resistência a antibióticos e antimicrobianos, superando a morte por câncer, por exemplo.

“O uso racional desses medicamentos na UTI, restringindo-se espectro e duração minimamente necessários, é a melhor maneira de combater a emergência de resistência no ambiente hospitalar e, principalmente, nas unidades de terapia intensiva”, alerta o médico intensivista Dr. Thiago Lisboa, coordenador da Campanha Nacional da AMIB, que esse ano abordará Prevenção de Infecção em UTI.

Infecção hospitalar é um dos temas mais preocupantes para os profissionais de saúde, principalmente quando acomete pacientes gravemente enfermos internados nas unidades de terapia intensiva. Em abril, a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) lançou a sua campanha nacional, que esse ano abordará “Prevenção de Infecção em UTI”. Serão sete meses de divulgação e trabalhos nas 2.350 UTIs brasileiras através dos médicos, profissionais de UTIs, familiares e visitantes.

Estudos revelam que 70% dos pacientes internados nas unidades de terapia intensiva recebem tratamento para algum tipo de infecção. Nesse ambiente, o risco é de 5 a 10 vezes maior do que em outros ambientes hospitalares, e pode chegar a representar 20% do total de casos registrados em um hospital.
Muitos são os fatores que contribuem para o desenvolvimento de infecções. A AMIB elencou sete pontos importantes que devem ser observados no combate à infecção.

O número 1 é a Higienização das Mãos. Essa é a principal medida de prevenção de infecções relacionadas aos cuidados de saúde. Infelizmente, a taxa de adesão a esse ponto chave é muito baixa, chegando apenas a 70% nos centros que apresentam os melhores resultados. Em 2009, a Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciou uma campanha com foco na lavagem das mãos nos seguintes momentos: antes de tocar um paciente, antes de um procedimento asséptico (de limpeza), após risco pela exposição a fluídos corporais, depois de trocar um paciente e após o contato com as áreas próximas ao paciente.

O Uso Racional de Antimicrobianos (vide texto de abertura).

O Uso Adequado das Precauções de Contato com pacientes sabidamente colonizados ou com infecção por patógenos potencialmente resistentes no ambiente de cuidados intensivos é parte do arsenal do combate à infecção. O uso de luvas e aventais podem minimizar o risco de transmissão cruzada (de um paciente para outro) nas UTIs.

O quarto ponto é o Rastreio e Medidas de Isolamento dos Casos. Portanto, é importante a identificação dos pacientes colonizados ou infectados com patógenos potencialmente resistentes para o adequado manejo e emprego de medidas preventivas.

A Vigilância Epidemiológica, o quinto ponto chave, é importante para conhecer a triagem do risco de desenvolvimento da infecção e para auxiliar na escolha da melhor opção terapêutica. O tratamento antimicrobiano empírico inadequado aumenta o risco de mortes dos pacientes com infecções graves internados nas UTIs. “O conhecimento da flora microbiológica associada com infecções nas unidades de terapia intensiva é o melhor preditor para o sucesso da terapia antimicrobiana”, diz Dr. Thiago Lisboa.

A Limpeza Adequada do Ambiente também é um fator importante para o combate à infecção. Isso porque alguns patógenos sobrevivem no ambiente por tempo prolongado, aumentando o risco de transmissão cruzada e dificultando o manejo de surtos dentro das unidades de terapia intensiva.
E para fechar os sete pontos chave a Educação Continuadas dos Profissionais de Saúde.

Informações à Imprensa
Plano A Comunicação e Eventos
Fone: 11.5098.1111
Maíra Bittencourt – maira@planoapp.com.br
Cel.: 11. 9.7093.5939

Compartilhar
Sala de imprensa Plano A Comunicação e Eventos
Empresa ANDRADE & PASCHOAL COMUNICACAO E EVENTOS LTDA - ME
Contato Maira
E-mail maira@planoapp.com.br Fone (11) 50981111
Editoria (s) Saúde
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
crianças MATERIAIS VACINAÇÃO PRETO UNIFRAN REDE
CRESCERAM ACIDENTES CIDADE ATENDIMENTO SEGUNDA-FEIRA DICAS
PROMOVE FEBRE MIRANTE MEDICINA COMEÇAR SAÚDE
ASSUME PREJUDICA SHOPPING BRASIL LAGO ALIMENTAÇÃO
MARCELO COORDENAÇÃO EXPOSIÇÃO PLAZA HÁBITOS MINUTO
SAMPAIO DEFICIÊNCIA RIO TURMA ESTÂNCIA SPA
FRANÇA BP BIOLÓGICOS Amarela COMUNICAÇÃO NUTRICIONISTA
JOSÉ DESENVOLVIMENTO CHEGA anemia SAUDÁVEIS ORAL
PRONTO FERRO VILLA Roxa SUPER VONTADE
TIETÊ
busca avançada
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta