Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Ex-Libris Comunicação Integrada | 28/03/2016 17:21:43 | 768 Acessos
O poder da desaposentação na economia nacional - Por Murilo Aith*

O Brasil passa por um difícil momento político e econômico. O Planalto e a Câmara dos Deputados, representados por Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, passam por um período conturbado. A distrito disso, “jogado para escanteio” o Brasil se desmancha com ameaça de mais desemprego, recessão e fuga de investimentos.


Essa briga política é uma catástrofe para o futuro dos brasileiros, causando vários desequilíbrios econômicos. Um dos principais encontra-se na Previdência Social que, de acordo com estimativa do Tribunal de Contas da União (TCU), deve encerrar o ano com déficit de R$ 124 bilhões, números estes desmentidos pela Associação Nacional dos Auditores Ficais da Receita Federal (ANFIP).


Qualquer investigação técnica mais profunda vai demonstrar o oposto, pois, o sistema apresenta superávit. O crescimento econômico registrado nos últimos dez anos trouxe a redução da informalidade e o aumento do número de empregos formais, o que alavancou a arrecadação previdenciária.


A Previdência Social não tem problemas. Na verdade, ela pode ser tida como um grande ponto de soluções. Tanto é que quando o governo quer injetar renda na economia, basta usar o sistema de proteção social.


O gasto com a seguridade social tornou-se impulsionador da demanda agregada ao ativar diretamente o consumo das famílias. Por ser uma renda que atende a uma população com elevada propensão a consumir, o valor provisionado pelos esquemas de proteção social para pessoas doentes, desempregadas, acidentadas do trabalho, idosos, aposentados e pessoas de baixa renda, invariavelmente, será gasta de forma integral.


Essa renda é transformada em aquisição de medicamentos, alimentos, vestuário e outros bens de primeira necessidade que dinamizam a economia.


Além do gasto com seguridade social, há a necessidade de ampliação da infraestrutura social, nas áreas de saúde e de assistência social. O Estado intervém em construção de prédios, compra de equipamento e de insumos de trabalho e, simultaneamente, na contratação direta de mão de obra para operar nesses setores. Trata-se, portanto, do gasto social influenciando também pelo lado da oferta, num mercado onde o principal agente produtor é o Estado.


Tudo isso converge para a inclusão produtiva da população. Assim, a política social pode se tornar um elemento importante para o aumento da produtividade do trabalho, fator decisivo para a melhoria da renda do trabalho e para o crescimento econômico.


Nesse processo de ativação da economia, passa também as discussões da reforma previdenciária. E, nesse sentido, a idade e o valor das aposentadorias estão longe de ser os únicos determinantes da carga previdenciária, como parece ser o entendimento das propostas existentes para assegurar a sustentabilidade de longo prazo do sistema.


Há alternativas que podem ser utilizadas para qualquer dado nível de aposentadoria média. Quanto maior o crescimento da renda por pessoa, quanto maior a taxa de emprego e de produtividade, mais leve será a carga das aposentadorias.


Esta construção é fundamental para desmistificar o falso alarde feito sobre o possível rombo que a desaposentação causaria. Ao contrário, ela pode e deve ser a solução imediata para impulsionar a economia.


O aposentado que, após a concessão da sua aposentadoria, continua ou retorna ao mercado de trabalho é contribuinte obrigatório da Previdência. Segundo dados da Advocacia-Geral da União (AGU), esse grupo é formado por cerca de 700 mil aposentados. No entanto, até o momento, não fazem jus à majoração do seu benefício em decorrência das novas contribuições.
Para reconhecimento desse direito, milhares de aposentados aguardam decisão do Supremo tribunal Federal (STF). Também há uma Emenda Aditiva à Medida Provisória 676/215, incluindo a possibilidade de majoração do benefício para quem trabalhou após aposentado, no aguardo de sanção da Presidente da República.


O reconhecimento da desaposentação fomentará a economia. Aumentará a renda e consumo dos aposentados e, num ciclo virtuoso, a produtividade do trabalho e a geração de novos empregos, permitindo não só a expansão das receitas previdenciárias, como também, por efeitos indiretos, o aumento da capacidade contributiva por meio das receitas incidentes sobre patamares mais elevados da renda do trabalho e lucros.


A produtividade é uma variável-chave na equação do sistema previdenciário. Quatro são as explicações. Primeiro, porque o consumo mais elevado, que decorre do crescimento do número de inativos - e nesses estão incluídos os beneficiados com a desaposentação -, precisa ser compensado com o aumento da produção dos trabalhadores ativos.


Segundo, porque o sistema previdenciário está apoiado em receitas oriundas da massa salarial, dos lucros e do faturamento e, sendo assim, o crescimento da produtividade é essencial para o aumento da base de incidência desses tributos.


A terceira explicação resulta dos postos de trabalho do setor industrial que, por serem de mais elevada produtividade, formalizados e de remuneração mais alta, funcionam como farol para o resto da economia.


Salários mais altos e maior estabilidade do emprego reforçam o fundo previdenciário e aumentam a cobertura. E, por fim, a elevação da produtividade média é decisiva numa conjuntura como a brasileira, de recuperação do poder de compra do salário mínimo e aumento do salário médio, para que não se agrave o conflito distributivo entre lucros e salários e não resulte em elevação dos preços.


A queda da margem de lucros, por sua vez, cria pressão por correção de preços, premência pela redução dos custos do trabalho, insistência pelo aumento da jornada de trabalho e apelos por reformas trabalhistas e previdenciárias que reduzam direitos sociais.
Por todos esses fatores, é claro observar o poder da desaposentação em alavancar a economia e contribuir ativamente para os cofres da Previdência Social. O Brasil precisa caminhar a passos largos para frente, deixar de aplicar políticas restritivas e implementar, cada vez mais, a inclusão social, diminuindo o número de desempregos e do trabalho informal. Está aí um dos caminhos de superação da crise pela qual passa hoje o país.


*Murilo Aith é sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Sociedade de Advogados

 


Mais informações:
Ex-Libris Comunicação Integrada
Fone: (11) 3266-6088 - ramal 218
Caio Prates – caio@libris.com.br
Denis Dana – denis@libris.com.br

Compartilhar
Sala de imprensa Ex-Libris Comunicação Integrada
Empresa EX-LIBRIS LTDA
Contato Thays Badin
E-mail tbadin@libris.com.br Fone (11) 32666088
Editoria (s) Economia, Nacional
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
realiza ESPECIALISTAS COMPARTILHAM EXPERIÊNCIAS APONTA IMOBILIÁRIAS
modelo RANKING EMPREGADOS MUNDIAL LÍDERES CRESCER
APOSTA LBV BRASILEIRO ENFERMAGEM BAURU ELÉTRICA
PROTEÇÃO PRATICAM VIVER AÇÃO MOMENTO PRESENÇA
PROMOVE REUNEM MÃOS VALE Currículo EXPO
SPRINT USAM TEMAS MILHÕES Netto SOBRANCELHA
CHEGAM REAIS ERROS MARISTAS Bild AUTOMAÇÃO
PARANAENSE ALVES GÉRSON TRABALHAR condenado MANUTENÇÃO
CLASSIFICAÇÃO SOBE TECNOLOGIA DOBRO Propósito PALESTRA
POSIÇÕES CORRE VIDA PEDAGÓGICAS Dataprev FEAUSP
INTERNOS COSMÉTICO COLETIVO DADOS Caravaggio VILLARES
MESES PERIGO BCG ESTAMOS indenizar NACIONAL
AULA CAMPOS ESCOLA ESTUDANTES respirando PRESENTE
REDUZ PROFESSOR MICROEMPREENDEDORES drone GRUPO
ADVOGADOS ASSÉDIO PARTICIPA ESPECIAL Helloo DIREITO
APRESENTADO MEDIAÇÃO PAPEL CAMPO Anti-wifi CANETA
ACADEMIA DEBATER DIGITAIS EVENTO antiatrito GRATUITA
ALUNOS BRIAN RACE HISTÓRIA anticalo EDIÇÃO
TÉCNICA AÇAÍ VÍTIMA ESCLARECIMENTO Fowler COBRE
NOTA FERIADOS USP SOLIDARIEDADE Damares MARCA
ESPECIALISTA CUP CARREIRA EDUCATIVO operações TURMA
SEXUAL DUAS CUIDADO LINHA TERÇA-FEIRA PÓS-GRADUAÇÃO
POLUIÇÃO AUTORIDADE REALIDADE VENDAS OFERECE CURSO
GOIÂNIA VIRTUAL CIVIL MORTE OFFSHORE MATEMÁTICA
DANOS PAIVA ENCONTRO MEIO ABRE PAULO
MINISTRA RELACIONADOS REGULAÇÃO JOGOS REFORÇO loja
ALCANÇA COACHING PELE TENDÊNCIAS CURSOS Metals
MUNDIAIS FUGIR MERCADO AMÉRICA CREME PORTUGUÊS
ABORDA MOÓCA TST NEGÓCIO INDUSTRIAL DESTAQUE
ESTUDO ADMINISTRAR EXPANSÃO COPA FRANCHISING EDUCAÇÃO
ASSOCIAÇÃO ARTE DIGITAL PROJETO CURSINHO BRASIL
SIMPÓSIO GEOGRAFIA STARTUP FOCO ABF CONGRESSO
AÉREO RESPONSABILIDADE FAST TRANSPORTE FALHAS BELEZA
RECEBER SETOR FUGA TALENTOS JUNHO INTERNACIONAL
busca avançada
Banner Jornal da Usp
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta