Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | ADS Comunicação Corporativa | 06/11/2018 10:58:00 | 491 Acessos
Lojas de departamento lideram vendas em valores entre os canais de varejo de vestuário
Visualizar imagem

O mais completo estudo sobre os Canais de Varejo de Vestuário, lançado pelo IEMI Inteligência de Mercado, traz dados sobre a retomada do varejo de vestuário em 2017, estimativas para o fechamento de 2018 e a demanda potencial dos consumidores brasileiros nas principais cidades do país, entre outras informações


O IEMI - Inteligência de Mercado acaba de lançar o seu estudo atualizado sobre os Canais do Varejo de Vestuário. A análise abrange os últimos cinco anos (de 2013 a 2017) e estimativas para 2018, com dados relevantes para a tomada de decisão da indústria e do varejo. Segundo o IEMI, o varejo brasileiro de vestuário movimentou 6,2 bilhões de peças e R$ 220 bilhões em 2017, com crescimento de 8% em volumes e 9% em valores, em relação a 2016. A estimativa para 2018 é a movimentação de 6,3 bilhões de peças e R$ 226 bilhões em valores, um crescimento de, respectivamente, 1,5% e 2,7% sobre 2017.
Marcelo Prado, diretor do IEMI, afirma que, com a melhoria dos fatores econômicos em 2019 (redução da inflação e juros; melhoria no emprego e massa salarial; e expansão do crédito) as estimativas preliminares apontam que o segmento de vestuário deverá apresentar crescimento de 2,6% em volumes e 4,2% em valores nominais.

Mesmo com a queda no número de peças comercializadas a partir de 2015 (-3,9%), observa-se que no gráfico acima, de acordo com a análise de 2015 a 2017, a receita manteve-se crescente devido ao aumento no preço médio das peças vendidas (mais de 17% no período de 2015 a 2017) atribuído também à alta no preço médio por peça na indústria, 26% no período.
Lojas de departamento especializadas lideram em receita
Ao mapear os canais de varejo de vestuário do País, o IEMI concluiu que, ao final de 2017, existiam 149,1 mil pontos de venda, considerando as lojas de departamento especializadas em vestuário, redes de pequenas lojas, lojas independentes, os hipermercados e as lojas de departamento não especializadas em moda (as que comercializam, além de vestuário, itens de decoração, móveis, eletrônicos e outros).


As lojas de departamento especializadas em vestuário, onde estão inseridas as grandes lojas de departamento, as redes monomarcas e multimarcas e as lojas independentes representaram 98,6% dos pontos de venda espalhados pelo Brasil. Das 149 mil lojas especializadas em vestuário, 37,2% estão distribuídas pelos 571 shoppings do País e os 62,8% restantes são lojas de rua.
O canal mais representativo em volume de vendas é o de lojas independentes com 36,5% dos volumes comercializados. Esse perfil é comum a todos os públicos, exceto o feminino infantil, que tem como principal canal o de lojas de departamento especializadas.
Já em valores, as lojas de departamento especializadas em moda se sobressaíram nos últimos 5 anos, ganhando maior participação de mercado e tornando-se o principal canal de distribuição do varejo de vestuário brasileiro, em receitas. O canal é responsável por 31,4% das vendas; as lojas independentes respondem por 27,6%; as redes especializadas por 26,6%; lojas de departamento não especializadas por 8,8% e os hipermercados por 5,6%.


Participação dos anais do varejo em valores (em % dos valores)
. Canais do varejo 2017
Lojas de departamento especializadas (1) 31,4%
Redes de pequenas lojas (2) 26,6%
Lojas independentes (3) 27,6%
Lojas de departamento não especializadas (4) 8,8%
Hipermercados (5) 5,6%
. Total 100,0%
Fonte: IEMI
Notas: (1) C&A, Riachuelo, Renner, Marisa, etc. (4) Americanas, Pernambucanas, etc.
(2) Mono/multimarcas, etc. (5) Carrefour, Extra, Walmart, etc.
(3) Butiques, lojas de bairro, etc.


Moda íntima tem o melhor desempenho
De todas as linhas de produto, a de moda íntima/dormir foi a única que apresentou resultado positivo quanto ao volume de peças comercializadas, crescendo 5,5% no período. Em valores, o aumento foi de 28,7%, em termos nominais, sem descontar a inflação. Com relação ao ano de 2016, a alta em 2017 foi de 9,3% em peças e 8,6% em valores. “O segmento de moda íntima/dormir sofreu com a crise em 2015 e 2016, tanto quanto os demais segmentos do vestuário, mas obteve uma recuperação bem mais rápida na retomada. Contribuíram o fato de que é um produto de primeiríssima necessidade, de menor durabilidade com peças leves e de uso diário, e que custam bem menos que as roupas em geral”, acrescenta Prado. Segundo ele, a recuperação em 2017 foi lenta e seletiva para o vestuário em geral, mas por suas características, a moda íntima/dormir perdeu menos com a crise e se recuperou melhor na retomada.
Ainda numa análise da segmentação do varejo de vestuário por linha de produto, verifica-se que a linha casual é a mais representativa, com 45,2% das peças e 52,9% dos valores comercializados no ano de 2017. A segunda linha em volume de peças é a íntima/dormir com 13,8% das peças comercializadas. Já em valores movimentados no varejo, a segunda colocação fica para a linha de moda esportiva com 12%.
No ano de 2017 em comparação com 2016, a linha casual foi a que obteve o maior resultado, quando cada segmento é analisado separadamente, tendo um crescimento de 10,3% em volume de peças e de 11,8% em valores.
“O ano de 2018 foi impactado pela interferência de movimentos externos ao mercado consumidor de moda, como a greve dos caminhoneiros, Copa do Mundo e as incertezas da eleição. Mesmo assim, as expectativas são de um crescimento nas vendas do segmento, ainda que em pequena monta, mas com perspectivas melhores para 2019”, conclui Prado.

Informações para a imprensa - ADS Comunicação Corporativa
Vera Santiago - veras@adsbrasil.com.br - (11) 5090-3016

Compartilhar
Sala de imprensa ADS Comunicação Corporativa
Empresa ADS ASSESSORIA DE COMUNICAÇÕES LTDA.
Contato Bianca Lodi
E-mail biancal@adsbrasil.com.br Fone (11) 50903016
Editoria (s) Varejo
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
OFERECE PONTOS COMERCIAL PROFISSIONAL DISCUTE Skills
DISPUTA BRANDS CARLOS GERAÇÃO HISTÓRICA Livelo
RESULTADO COMPETIÇÕES APRENDER VOUCHERS GENÉTICA COMPRAR
AUMENTAR PASSEIOS ESPORTES RESGATE NEGÓCIOS ORIENTAÇÕES
MELHORAR SOFT DIGITAIS RADICAIS ALTA MÃES
PRINCIPAIS SUCESSO DIRECT EDIÇÃO Cruz DIA
ESPM EXPOZEBU PERFORMANCE EMPRESA Determinar CRISE
PRÁTICAS PODEMOS
busca avançada
Banner Jornal da Usp
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta