Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Giusti Comunicação | 09/11/2018 09:58:27 | 139 Acessos
Ipsos aponta sete tendências de consumo e comportamento
Estudo qualitativo organiza fenômenos, identifica movimentos e ajuda a nortear planos estratégicos de empresas

Como as tendências de consumo e comportamento afetam a vida das pessoas e como os acontecimentos nacionais e internacionais na política, economia, sociedade e cultura transformam atitudes e decisões de compra? Para responder essas questões, a Ipsos lança a 8ª onda do Observatório de Tendências. O estudo qualitativo tem como objetivo identificar os movimentos, sentidos e valores sociais, e analisá-los a fim de nortear as empresas em todas as etapas do planejamento estratégico de suas marcas e produtos.
“O nosso trabalho sempre foi mapear tendências que inspiram determinados padrões para auxiliar as empresas no desafio de compreender os fenômenos culturais, econômicos e sociais da sociedade e como estes afetam o comportamento de consumo. É um trabalho muito além de identificar ‘modinhas’ ou ‘febres’. Não buscamos o efêmero, mas o que tende a ser contínuo e que mora por trás do que vemos manifestado no dia a dia”, afirma Eduardo Trevisan, gerente de Inovação da Ipsos.


O Observatório de Tendências da Ipsos é um exercício constante de atualização de conhecimento baseado em um estudo qualitativo que integra diferentes metodologias e técnicas, como pesquisa bibliográfica, entrevistas em profundidade, análise semiótica, etnografia, grupos de discussão, etc. A novidade dessa edição é a inclusão do social listening com o uso da ferramenta proprietária Ipsos Trend Radar. “Além do nosso olhar qualitativo no entendimento das movimentações de comportamentos, realizamos um acompanhamento nas redes sociais para compreender a evolução de termos ligados às tendências na rede. A leitura desses movimentos nos ajuda a entender o nível de assimilação que certas tendências têm na sociedade brasileira como um todo”, comenta Ana Malamud, diretora da área qualitativa da Ipsos.


As sete tendências identificadas pela Ipsos são:
GO EMBODY. A absorção da tecnologia no corpo e na matéria.
Fundamentada na relação entre tecnologia e globalização, a tendência originalmente chamada de Go Global foi marcada em seu início pela ruptura das barreiras, trazendo sensação de euforia e expansão do mundo físico. Depois da euforia, adquire uma perspectiva mais crítica, questionando os efeitos dessa tecnologia na vida das pessoas. Na onda anterior, a Ipsos havia identificado um sentido de ponderação, com a busca por um equilíbrio, como forma de lidar com o aspecto inevitável e naturalizado das tecnologias. “Era o momento da ambiguidade entre expansão e fechamento. Hoje, a relação com o espaço se torna novamente marcada pela retração e pela demarcação dos limites”, comenta Clotilde Perez, coordenadora do Observatório de Tendências da Ipsos e proprietária da casa Semio.
Quatro anos atrás, quando foi realizada a última onda do Observatório de Tendências da Ipsos, a tecnologia estava naturalizada, ou nas superfícies – nos wearables, por exemplo. “Agora, a tecnologia está incorporada e absorvida – na biotecnologia, na nanotecnologia. Está dentro do corpo e da matéria. E os números assumem uma centralidade inédita, com a possibilidade de transformar praticamente todas as áreas da vida. E tudo isso de alguma maneira evidencia a indiscutível instauração de uma nova forma de se relacionar com a tecnologia e com o espaço: o paradigma algorítmico”, conclui Clotilde.

ID QUEST. Entre a fratura das redes e os novos afetos.
A tendência ID Quest se sustenta na busca do indivíduo pela sua identidade e nas redes de proteção de que ele se valia para isso. Segundo os experts da Ipsos, nas primeiras ondas do Observatório de Tendências, o olhar para o passado garantia alguma segurança e trazia sentido. Nas ondas intermediárias isso se presentificava, se diversificava e se expandia para novas áreas: pets, colecionismo e novas possibilidades espirituais. Na última onda, o grande destaque era a midiatização da identidade, com o decadismo, as selfies e a avatarização – sem vínculos de compromisso com a verdade.
Na onda atual, o sentido principal é o do desalento, com as redes de proteção, fraturadas, já incapazes de dar acolhimento ou segurança. As pessoas não querem surpresas nem discordâncias, por isso, há uma busca maior por controle. Há uma valorização da relação com os pets. Os animais estão sob os comandos das pessoas, que determinam onde eles vão dormir, se vão passear ou não, etc. Os eletrônicos, como a assistente virtual Alexa, também são valorizados e, com eles, a relação é de quase total controle.
“Nenhum grupo identitário, definido por gênero, aparência ou classe social, se sente plenamente reconhecido, representado e respeitado. Isso provoca o deslizamento dos afetos: das pessoas para os animais, das instituições públicas para as marcas, do que é humano e afetivamente complexo para o que é físico e tecnologicamente seguro”, afirma a coordenadora do Observatório de Tendências da Ipsos.

KNOW YOUR RIGHTS. A normalização e a conscientização do consumo.
Know Your Rights é a tendência que se fundamenta no consumo e na sua relação com a existência humana e social e nas críticas decorrentes dessa centralidade. Na última edição do Observatório de Tendências, a questão humana ganhou relevância e o consumo passou a ser encarado como possível solução para a crise mundial.
“Só que hoje, por mais que abrace causas e dispute propósitos, esse consumo não dá conta das responsabilidades que ele próprio tinha abraçado, diante da real diminuição da circulação de dinheiro. Mas, longe de dar a causa como perdida, a situação atual vem favorecendo o surgimento de novas e promissoras possibilidades, a partir da busca por outras lógicas de produção e consumo – resgatando valores como responsabilidade, compartilhamento, sustentabilidade, inclusão e cidadania”, diz Clotilde.

KRONOS FEVER. Evasão do tempo presente.
A relação do homem com o tempo vem como um desejo de fuga do presente, do agora nesta edição do Observatório de Tendências. A fuga se materializa em maratonas de séries em serviços de streaming ou em maratonas de corrida. São horas dedicadas para fazer algo sem conexão com o agora. “Como escapar do presente é a grande questão que aparece. O caminho tem sido resgatar no passado as referências para entender o presente e rever os planos para o futuro. Mas do passado ressuscitam também antigos fantasmas que nos assombram”, afirma a coordenadora do estudo.
O Observatório de Tendências da Ipsos mostra que as pessoas se sentem amparadas pelo desenvolvimento tecnológico e percebem a constante aceleração em relação ao futuro, mas não tem nenhuma convicção de que nele encontrarão refúgio para as suas angústias. “Um passado mal resolvido e um futuro pouco promissor nos confinam a um presente angustiante, do qual só se pode querer escapar”, conclui.

LIVING WELL. Corpo são, mente insana.
A equipe da Ipsos explica que o fundamento da tendência Living Well está no bem-estar, um paradigma utópico que nos mobiliza incessantemente, sempre na intersecção entre o corpo, a mente e o plano espiritual. Ela afirma que nas primeiras ondas do Observatório de Tendências, a busca pelo bem-estar equilibrava-se na tricotomia “eu devo” – “eu quero” – “eu posso”. Nas últimas ondas, já no plano do “eu preciso”, observaram um grande sentido de instrumentalização, com múltiplos caminhos ao bem-estar, era o tempo do “eu sei como”.
“Hoje, a sensação é a de que todos os caminhos e possibilidades levam a um bem-estar do corpo concreto, da saúde física e da aparência estética – com graves prejuízos à sanidade da mente e ao equilíbrio espiritual. A midiatização da beleza e do bem-estar, a instrumentalização estética do corpo, o total descolamento entre o parecer bonito e o sentir-se bem, o crescimento do isolamento e do individualismo – tudo isso evidencia que o bem-estar pleno nunca esteve tão longe de ser alcançado. Estamos na ordem do bem-estar fragmentado, parcial, limitado. Estamos na ordem do ‘eu tentei’”, comenta a coordenadora do estudo.

MAXIMUM EXPOSURE. O sensível espetacularizado.
Ao longo das edições do Observatório, a Ipsos identificou na tendência Maximum Exposure que o marasmo do cotidiano sempre provocou nas pessoas a busca por mecanismos de ruptura, seja pela radicalização mais extrema, seja pela imersão mais sensorial. “Atualmente, o que se percebe é a completa fusão entre a dimensão imersiva e o aspecto radical da tendência. Ou seja, estamos imersos na ruptura, vivemos a cotidianização do radical e, ao mesmo tempo, a radicalização do cotidiano”, explica Clotilde.
“Não se trata mais de romper com a rotina. Agora, todos os instantes podem ser de alguma forma extremos e disruptivos. A agressividade está naturalizada, midiatizada, estetizada, ao ponto de não mais chocar nem agredir propriamente. A vigilância já faz parte do dia-a-dia – de modo que já não se pode mais viver sem a presunção de um registro, por mais invasivo que ele seja. A exposição da intimidade está banalizada. Tudo pode e deve ser divulgado, compartilhado, publicado.”

MY WAY. Criar e ser criado.
A tendência My Way explora a relação do homem contemporâneo com a indústria, tanto na sua busca por individualização, que aparece nos processos de customização, como na sua própria capacidade produtiva, por exemplo, no artesanato. Há uma valorização da criatividade e a criação do novo artesanal. Um exemplo são as cervejas artesanais, que na verdade são industrializadas, mas microindividualizadas. As impressoras 3D são um dos contribuidores para esse novo artesanal, que não é tão manual assim.
“Frente à massa uniformizada, a singularidade de cada indivíduo se constrói, se reforça e se autoaperfeiçoa na lógica inteligente dos algoritmos, que faz tudo parecer feito e pensado para cada um de nós. Ante um mercado hiper-homogeneizado, softwares, redes e máquinas permitem uma produção individual cada vez mais interessante e que tem impactado positivamente o mercado. Tudo isso com influência direta na qualidade da produção artesanal, na criação e na distribuição de conteúdos culturais, e na valorização da criatividade e do empreendedorismo”, afirma Clotilde.

Sobre a Ipsos
A Ipsos é uma empresa de pesquisa de mercado independente, presente em 89 países. A companhia, que tem globalmente mais de 5.000 clientes e 16.600 colaboradores, entrega dados e análises sobre pessoas, mercados, marcas e sociedades para facilitar a tomada de decisão das empresas e das organizações. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de marketing, comunicação, mídia, customer experience, engajamento de colaboradores, opinião pública e coleta de dados. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e medem a opinião pública ao redor do mundo. Com atuação ampla em diversas frentes de serviço, a Ipsos está sempre buscando um entendimento total da sociedade e agrega ao olhar de tendências um vasto conhecimento histórico sobre os consumidores, cidadãos e indivíduos que estuda. Para mais informações, acesse:
Ipsos Brasil - New, Fresh & Digital https://youtu.be/AWD_nwkXrpM
Ipsos Brasil – Diferenciais https://youtu.be/gSWOO5KunKI
Ipsos Brasil – Curiosidade https://youtu.be/eEm9dve420s

Mais informações para imprensa:
Pâmela Kometani – (11) 5502-5456 – pamela@giusticom.com.br
Maria Rita Teixeira – (11) 5502-5466 – mariarita@giusticom.com.br

PÂMELA KOMETANI
email: pamela@giusticom.com.br
tel: +55 (11) 5502-5405 / (11) 5502-5466
site: www.giusticom.com.br

Compartilhar
Sala de imprensa Giusti Comunicação
Empresa GIUSTI CONSULTORIA DE MARKETING LTDA
Contato Pâmela Kometani
E-mail pamela@giusticom.com.br Fone (11) 55025460
Editoria (s) Propaganda/Mkt/Comunicação
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
Não há Tag's relacionadas.
busca avançada
Banner Jornal da Usp
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta