Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | De León Comunicações | 24/05/2019 10:36:44 | 259 Acessos
Uma breve fala ao povo sobre o direito - Por Amadeu Garrido de Paula

De todas as técnicas e ciência o homem comum faz algumas ideias. Técnico é o homem que sabe como as coisas funcionam. Cientistas procuram saber "por que" elas funcionam.

Nenhuma outra arte, técnica ou ciência atrai tanto a atenção leiga como o direito. É comum a pergunta cândida: como um advogado pode defender um culpado? Faltaria ética a essa opção profissional.

Tentemos esclarecer dois aspectos fundamentais do direito, neste momento em que ele ocupa o centro das atenções gerais.

Direito é fato e norma. Um acidente de trânsito é um fato. Ao responsabilizar um dos envolvidos, o Estado (a quem cabe dizer o direito) aplica uma norma. Assim, podemos dizer que o fato está no mundo empírico e a norma no mundo teórico.

Ante um fato amplamente noticiado, o povo, não raro estimulado pela imprensa, logo se põe a julgá-lo. Já os operadores do direito, advogados, promotores e juízes, devem recorrer ao que suas inteligências captaram nos cursos jurídicos para aplicar (como podem) a técnica, a ciência e a arte do direito. Nossa opção pessoal é pela esquissa científica, enquanto busca vertical da verdade, para dizer que norma deve reger aquele fato exemplificado (acidente).

Nosso povo, em primeiro lugar, não consegue compreender o "prende e solta", como no último caso do ex-presidente Michel Temer. É insegurança, despreparo, leviandade? Não, muito pelo contrário. A ciência busca suas descobertas e, ainda assim, submete-as, por exemplo, a testes laboratoriais, antes de divulgar seu achado. Trata-se de responsabilidade.

O Estado pratica o direito de acordo com cada país. No Brasil, em termos principais, temos, antes de tudo, o juiz de primeira instância. É aquele de nosso bairro ao qual procuramos, expondo nosso direito violado e pedindo a aplicação da norma pelo Estado. Depois, os Tribunais Regionais. Por fim, os Tribunais Superiores. Cada juiz é independente ao expor as ideias que o levam a julgar de determinada maneira. Não há hierarquia, tampouco unidade de pensamento imposta. Por isso, diante de um fato, podem ser convocadas diversas formas de interpretação e de aplicação das normas. É onde, em geral, ocorrem as divergências. Os Tribunais Superiores se encarregam de uniformizar os entendimentos. Mas só recentemente essa uniformização, em certos casos, se tornou vinculante do pensamento dos juízes em nosso País.

Alguns erros judiciários, no mundo, tornaram-se emblemáticos e foram móveis de obras literárias e chegaram ponto de mudar certos rumos históricos. O famoso caso Dreifus ( Zola), o caso Maurizius (Wassermann), Jean Valjam (Hugo) e, em nossas Minas Gerais , o famoso caso dos irmãos Naves, entre tantos outros, até diários. Há um Ministro do STF que diz preferir ver um criminoso solto a um inocente atrás das grades. A pensar. Mas, em geral, são erros quanto aos fatos, muitas vezes sua prova depende só de testemunhos e da inclinação imagística do homem a só dizer a verdade (!).

No caso da ciência das normas, o conhecimento, sempre desejável em grau máximo, é o que faz brotar de nossos cérebros as mais sérias dúvidas, nas Academias e nos Tribunais. Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, unanimemente, por 4 votos, deu-nos verdadeira aula de direito, ao determinar a soltura de Michel Temer. Prisão preventiva é prisão processual, destinada a garantir o processo correto e a ordem pública. Excepcional. Não é a pena, depois de percorrido o devido processo legal e garantida a ampla defesa de qualquer acusado. Por mais graves que sejam as acusações contra o réu, tal não justifica uma prisão preventiva.

Uma digressão etimológica sobre "réu". Originário do latim, primeiro era substantivo (o oposto de autor da ação), depois corrompeu-se para adjetivo (culpado). Portugal já evoluiu: não se fala réu em processo penal, mas "arguido".

Claro que os juízes das instâncias inferiores deveriam ter mais parcimônia em decretar prisões preventivas, sem temor do clamor popular. A função de juiz não é compatível com a pusilanimidade ante as massas. Mas sua independência não pode ser violada. Logo, é melhor acalmarmos nossas opiniões antes de enveredar por questões jurídicas em conversas exacerbadas.

Amadeu Garrido de Paula, é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.

*Para ler mais textos do autor, acesse o Blog Amadeu Garrido de Paula.

Esse texto está livre para publicação. Se precisar de mais informações ou entrevistas entre em contato na De León Comunicações:
Bruna Lyra Raicoski
Assessoria de Imprensa
bruna@deleon.com.br
(11) 5017-7604// 99655-2340

 

Compartilhar
Sala de imprensa De León Comunicações
Empresa DE LEÓN COMUNICAÇÕES S/C LTDA
Contato De León Comunicações
E-mail equipe@deleon.com.br Fone (11) 50177604
Editoria (s) Cultura, Carta ao Leitor, Opinião
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
modelo LBV GEOGRAFIA PELE MORTE Fowler
APOSTA PRATICAM SETOR MERCADO MEIO Damares
PROTEÇÃO REUNEM COMPARTILHAM TST JOGOS TERÇA-FEIRA
SPRINT USAM EMPREGADOS EXPANSÃO TENDÊNCIAS OFFSHORE
CHEGAM REAIS BRASILEIRO DIGITAL AMÉRICA CREME
PARANAENSE ALVES VIVER STARTUP NEGÓCIO FRANCHISING
INTERNOS CORRE MÃOS FAST COPA ABF
MESES COSMÉTICO TEMAS FUGA PROJETO FALHAS
PORTUGUÊS PERIGO ERROS EXPERIÊNCIAS FOCO CRESCER
AULA CAMPOS GÉRSON ENFERMAGEM TALENTOS PRESENÇA
REDUZ PROFESSOR TECNOLOGIA VALE APONTA EXPO
APRESENTADO ASSÉDIO VIDA MILHÕES LÍDERES SOBRANCELHA
ACADEMIA MEDIAÇÃO COLETIVO MARISTAS PAULO VILLARES
ALUNOS DEBATER BCG TRABALHAR MOMENTO NACIONAL
TÉCNICA BRIAN ESCOLA DOBRO Currículo PRESENTE
NOTA AÇAÍ MICROEMPREENDEDORES PEDAGÓGICAS Netto CANETA
ESPECIALISTA FERIADOS PARTICIPA DADOS condenado EDIÇÃO
SEXUAL CUP PAPEL ESTAMOS Propósito COBRE
POLUIÇÃO AUTORIDADE DIGITAIS ESTUDANTES Dataprev MARCA
GOIÂNIA VIRTUAL RACE indenizar Metals
DANOS PAIVA VÍTIMA CAMPO respirando DESTAQUE
MINISTRA RELACIONADOS PALESTRA EVENTO drone EDUCAÇÃO
MUNDIAIS COACHING CARREIRA ESCLARECIMENTO Helloo BRASIL
ESTUDO FUGIR CUIDADO SOLIDARIEDADE Anti-wifi CONGRESSO
RECEBER MOÓCA REALIDADE EDUCATIVO antiatrito BELEZA
ESPECIALISTAS ADMINISTRAR ENCONTRO LINHA anticalo INTERNACIONAL
busca avançada
Banner Jornal da Usp
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta