Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Loures Consultoria | 12/07/2019 09:53:43 | 104 Acessos
Como a tecnologia pode desburocratizar e gerar empregos de uma só vez no setor público - Por Letícia Piccolotto*

 A importância de priorizarmos de forma estratégica a pauta da inovação no Brasil é cada vez mais evidente e crucial. Hoje um dos maiores riscos para a implementação de uma agenda digital efetiva no País é a e-burocracia, ou seja, a substituição da burocracia convencional pela burocracia digital.

O relatório sobre E-government produzido pela ONU analisa e demonstra de forma clara esse problema no Brasil. Apesar de termos uma posição relevante no ranking de países que já digitalizaram serviços públicos e apresentarmos uma quantidade razoável de programas disponibilizados na internet – só o Governo Federal já digitalizou mais de 1.700 políticas públicas – a qualidade desses serviços deixa muito a desejar. O relatório reforça desafios em relação à experiência do usuário, proteção e políticas de privacidade dos dados e eficiência operacional do sistema.

O nível de expectativas da população e da experiência digital continuará aumentando. A verdade é que hoje além das compras pela internet ou da entrega de comida pelo aplicativo, também queremos o Governo em um fácil acesso em nosso celular. Esta é uma tendência que não será revertida. Somos o terceiro país do mundo em número de usuários do Facebook e segundo no Instagram. Entre os jovens de 18 a 35 anos, 85% usam a internet. O Brasil é, então, um dos países mais conectados do mundo. Sendo assim, imagine o volume de dados que esse "trânsito" produz.

Imagine a quantidade de informações nascendo e circulando, assim como a oportunidade do desenvolvimento de novos produtos e mercados. No entanto, para tudo isso acontecer precisaremos cada vez mais de profissionais que saibam lidar com tecnologia e a má notícia é que, infelizmente, temos um grande desafio nesse último quesito. Estudo recente que o BrazilLAB lançou sobre Transformação Digital no Brasil mostra que, ainda em 2019, teremos 160 mil vagas abertas na área de tecnologia sem profissionais capacitados para atender à demanda. Ou seja: 160 mil vagas que não serão preenchidas.
Falar de vagas não preenchidas em um momento onde o nível do desemprego no Brasil atinge mais de 13 milhões de brasileiros e a projeção do crescimento do PIB vem escorregando e sendo revisada praticamente toda semana é alarmante. Existe um grave descompasso entre a oferta e a demanda e esta questão precisa ser priorizada.

O Brasil precisa urgentemente formar profissionais em tecnologia. Afinal, se a proporção de profissionais na área não crescer, a modernização do país será limitada e o próprio governo será afetado da mesma forma que a esfera privada.

O Brasil tem então dois caminhos – ou nos tornamos protagonistas dessa agenda e a implementamos de forma eficiente e com foco no cidadão ou nos mantemos como o país mais burocrático do mundo, agora também na internet. O risco da e-burocracia não pode ser menosprezado.

Experiências bem-sucedidas em países como a Estônia, Uruguai, Índia, Israel e China e demonstraram que a digitalização de serviços públicos em diferentes áreas como saúde, educação, segurança pública, identidade digital, entre outras, é uma estratégia extremamente importante para o crescimento econômico e social de uma nação.

A Estônia, por exemplo, foi um dos principais destaques. Apesar de ser um país pequeno, principalmente quando comparado ao Brasil, com apenas 13 milhões de habitantes, definiu como estratégia principal de governo utilizar a tecnologia para combater a pobreza e multiplicou mais de 7 vezes o seu PIB per capita de US$ 2.832 em 1992 para US$ 19.840 em 2017.

Hoje, só existem três coisas que você não pode fazer na Estônia pela internet: casar, divorciar e vender um imóvel. O preenchimento do formulário para cálculo do imposto de renda demora somente quinze minutos, visto que todos os dados estão integrados em um único banco de dados. O ressarcimento do imposto é feito em até três dias úteis.

*Letícia Piccolotto é fundadora do BrazilLAB e presidente executiva da Fundação Brava, responsável pelo Portal Meu Município


GUILHERME FRANCO
Analista de comunicação

55 11 2391.5005
55 11 96599.6281

guilherme.franco@loures.com.br

 

www.loures.com.br

 

Compartilhar
Sala de imprensa Loures Consultoria
Empresa Loures Consultoria
Contato Guilherme Franco
E-mail guilherme.franco@loures.com.br Fone (11) 0
Editoria (s) Ciência/Tecnologia, Trabalho
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
Não há Tag's relacionadas.
busca avançada
Banner Jornal da Usp
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta